Bens imóveis classificados

    AC002-Vila de Nossa Senhora (Igreja de Nossa Senhora das Dores)



    Localização: COLOANE

    Categoria: Edifícios de interesse arquitectónico

    A Vila de Nossa Senhora é composta pela antiga Leprosaria de Ká-Hó, a Igreja de Nossa Senhora das Dores e outras construções acessórias, sendo a única ruína de uma antiga leprosaria que que se conservou até ao pesente em Macau.

    A história da prevenção e tratamento da lepra em Macau começou no século XVI.  Em 1568, o Bispo D. Belchior Carneiro criou uma leprosaria dependente da Santa Casa da Misericórdia de Macau. Devido às necessidades de tratamento em isolamento, a leprosaria foi localizada no exterior das muralhas da cidade (actualmente, o Bairro de São Lázaro). Em consequência do desenvolvimento urbano de Macau na segunda metade do século XIX, os leprosos foram transferidos para Pac Sa Lan, na Ilha da Montanha. Em 1883, após a destruição da leprosaria de Pac Sa Lan por um tufão, e também devido à necessidade de separar os doentes masculinos e femininos, o governo português de Macau construiu novas leprosarias em Pac Sa Lan e em Ká-Hó, Coloane. A Leprosaria de Ká-Hó, concluída em 1885, acolhia exclusivamente doentes do sexo feminino (na actual localização).

    Em 1929, o governo português de Macau reconstruiu a Leprosaria de Ká-Hó. e as novas instalações foram inauguradas em 1930. Embora a Leprosaria de Ká-Hó fosse gerida e financiada pelo Governo, a Diocese de Macau tinha um papel importante nos cuidados prestados aos leprosos. Existem registos desde o início do século XX, de visitas periódicas de religiosos prestando serviços assistenciais.

    Em 1963, a Sociedade de São Francisco de Sales destacou o padre Fr. Gaetano Nicosia para prestar serviços na leprosaria. Sob a sua iniciativa, o local mudou de nome, passando a designar-se “Vila de Nossa Senhora”. Mais tarde, graças às ajudas do Papa Paulo VI, do Governo de Macau e da Diocese de Macau, construiu-se uma nova Igreja dedicada a Nossa Senhora das Dores, que foi inaugurada em 1966. A antiga Capela foi transformada numa sala recreativa.

    A Igreja de Nossa Senhora das Dores insere-se na arquitectura religiosa do Movimento Moderno internacional, revelando influências da experimentação espacial presente em igrejas construídas após o Concílio do Vaticano II (1961-65). As modificações da liturgia implementadas pelo concílio reflectem-se em novas concepções do espaço religioso, destacando-se o novo posicionamento do altar, no centro da Assembleia. A Igreja de Nossa Senhora das Dores, de Ka-Hó, primeiro exemplo de arquitectura religiosa pós-conciliar em Macau, construída pelo empreiteiro italiano Oseo Acconci, foi concebida como um grande salão organizado em torno do altar.

    O corpo principal da igreja apresenta uma inusitada secção triangular, acentuada pela expressividade da estrutura de betão armado que se prolonga até ao solo. O conjunto é rematado pela presença da torre sineira, colocada ao centro do alçado Norte, marcando o posicionamento interno do altar. Junto ao alçado Nascente localiza-se uma dependência anexa de apoio aos serviços religiosos. O alçado Poente, originalmente voltado ao mar, reflecte de forma despojada o perfil triangular da nave, apresentando um janelão circular sobre a porta da entrada e é encimado por um crucifixo concebido pelo escultor italiano Francisco Messina, colocado sobre o vértice do triângulo. A Igreja revela ainda no acabamento dos espaços interiores e exteriores, a procura de uma austeridade formal modernista, definindo cores e texturas com recurso a materiais sóbrios e autênticos como o betão aparente, o tijolo e o mosaico.


    Política de Privacidade    |    Feedback

    Copyright © Instituto Cultural, Reservados todos os direitos.
    Praça do Tap Seac, Edif. do Instituto Cultural, Macau
    Tel:(853) 2836 6866 Fax:(853) 2836 6899 Email:webmaster@icm.gov.mo

    Este site foi optimizado para visualização a 1024 x 768, nas versões Internet Explorer 10, Adobe Acrobat Reader 9 ou superior.