Prefácio

A cidade de Macau é o exemplo vivo de mais de 400 anos de intercâmbio e coexistência entre as culturas Ocidental e Oriental, traduzindo-se numa significativa herança multicultural e histórica, que se revela pelo seu património extraordinário e singular. As mudanças progressivas que ocorreram na cidade, a nível do quotidiano da população, das actividades de produção e, por outro lado, a nível das alterações no meio ambiente, podem vir a reflectir-se na degradação dos bens imóveis não incluídos na Lista do Património, apesar do seu enorme interesse cultural. Neste contexto, os instrumentos legais são os meios mais importantes e eficazes para a protecção e salvaguarda destes bens imóveis.

A antiga Lista do Património incluída no Decreto-Lei 83/92/M, em vigor há mais de 20 anos, necessita de ser actualizada, no sentido de satisfazer as exigências actuais de todos os sectores da sociedade. Desta forma, são factores importantes o rápido desenvolvimento da cidade, a inscrição do Centro Histórico de Macau na Lista do Património Mundial da U.N.E.S.C.O., o interesse da população pela salvaguarda do património cultural, que advém sobretudo dessa nomeação, e ainda o crescente conhecimento por parte das pessoas sobre os diferentes tipos de património.

Com a entrada em vigor, em Março de 2014, da Lei n.º 11/2013 “Lei de Salvaguarda do Património Cultural”, o Instituto Cultural (IC) deu início ao procedimento de classificação de 10 bens imóveis e à consulta pública para classificação, em Dezembro de 2015. Durante o período da consulta pública, os cidadãos apresentaram as suas ideias e sugestões, o que reflectiu claramente o interesse da população a nível da conservação do património cultural de Macau, elevando as expectativas, a sensibilização e a percepção sobre este assunto.

Assim, com o objectivo de salvaguardar eficazmente os bens imóveis de interesse cultural, o IC, de acordo com o disposto no artigo 22.º, da Lei n.º 11/2013 “Lei de Salvaguarda do Património Cultural”, promove a abertura do procedimento de classificação de bens imóveis e a consulta pública. Este procedimento aplica-se a um total de 9 bens imóveis, que constituem o 2.o grupo, e que deverão respeitar um conjunto de princípios, nomeadamente, ter características culturais locais; apresentar a documentação completa e bem fundamentada; cumprir todos os requisitos para a classificação; e necessitar urgentemente de obras de conservação ou encontrar-se em risco.

De acordo com o artigo 24.º, o IC realizará várias consultas públicas sobre os bens imóveis em vias de classificação, estabelecendo assim uma via de comunicação com o público em geral.

 

2.º Grupo proposto para classificação de bens imóveis de Macau

Item

Nome

Descrição do local / Endereço

1

Posto do Guarda Nocturno (Patane)

Rua da Palmeira n.º 52-54

2

Templo de Sin Fong

Terreno junto à Travessa de Coelho do Amaral

3

Ruínas do Colégio de S. Paulo (Antigo Muro, troço na Rua de D. Belchior Carneiro, n.o 35)

Rua de D. Belchior Carneiro n.º 35

4

Edifício na Calçada do Gaio, n.o 6

Calçada do Gaio n.º 6

5

Edifício na Estrada da Vitória, n.o 30

Estrada da Vitória n.º 30

6

Casas Moosa

Rua Central n.º 45-47

7

Cemitério de S. Miguel Arcanjo

Terreno sito na Estrada do Cemitério

8

Antigo Mercado do Tarrafeiro

Terreno sito na Travessa das Galinholas e na  Travessa do Alpendre

9

Feira do Carmo (Antigo Mercado da Taipa)

Terreno junto à Rua Direita Carlos Eugénio